Terminou o primeiro tempo do duelo entre Atlético e Racing em busca de um lugar nas quartas de final da Libertadores. Longe de casa, o Atlético se deu bem. Segurou a pressão dos argentinos e arrancou um empate em 0 a 0 no El Cilindro.

A história poderia ter sido um pouquinho diferente na Argentina. Vítor fez pelo menos duas boas defesas, o Racing meteu uma bola na trave mas o Galo também teve as suas chances. Júnior Urso, Robinho, Pratto tiveram boas oportunidades mas pecaram no momento da finalização.

Agora é em BH!

Por ter feito melhor campanha na primeira fase, o Galo decidirá a vaga nas quartas de final da Libertadores em casa. O duelo acontecerá na próxima quarta-feira, dia quatro de maio, às 21h45, o Independência. Para se classificar, o Atlético precisa vencer por qualquer marcador. Novo empate sem gols leva a decisão para as penalidades. Empate com gols dá a vaga ao Racing.

O jogo

Contando com o apoio de sua fanática torcida, o Racing partiu para cima do Atlético logo no início da partida. Com menos de um minuto, Romero recebeu no meio de campo, percebeu Victor adiantado e tentou encobrir o goleiro alvinegro. A bola parou na rede por cima do travessão da meta alvinegra.

Aos dois, Romero cobrou falta pela direita para dentro da área. O zagueiro Pillud cabeceou e Víctor fez a defesa praticamente em cima da linha de gol.

A primeira investida atleticana aconteceu apenas aos 10 minutos. Pratto recebeu na entrada da área, fez o giro e bateu para o gol. Bem colocado, Saja fez a defesa.

Não valeu!

A resposta dos argentinos quase foi fatal. Após cobrança de escanteio pela direita, a bola sobrou para Grimi que mandou para o fundo das redes de Vitor. No entanto, o lance já estava parado. O bandeirinha apontou impedimento no lance.

Com o meio-campo bem postado e a defesa firme, o Galo conseguiu suportar a pressão inicial do Racing e equilibrou a partida a partir dos 20 minutos da etapa inicial. Os argentinos tinham dificuldades em sair jogando a partir do campo de defesa e só encontrava brechas do lado direito do ataque.

Quase, Pratto!

O Galo quase abriu o marcador aos 33 minutos. A defesa do Racing saiu jogando errado e a bola sobrou para Pratto. O artilheiro bateu para o gol, a bola desviou na defesa e quase enganou Saja que se esticou todo para evitar o primeiro tento atleticano.

O Racing voltou a pressionar em busca da vantagem no final da etapa inicial. Os argentinos subiram a marcação e passaram a pressionar a saída de bola atleticana. Do outro lado, o Galo valorizou a posse de bola e teve a melhor oportunidade do jogo aos 47. Dátolo cruzou da esquerda e Júnior Urso apareceu livre no meio da área para cabecear. A bola passou pertinho da trave direita da meta de Saja.

Salva, Vítor!

O segundo tempo não fugiu ao que aconteceu na primeira etapa: com pressão do Racing. Com um minuto de jogo, Romero bateu falta da direita e obrigou Vítor a fazer uma bela defesa.

Vítor de novo!

Aos seis minutos São Vítor foi obrigado a trabalhar mais uma vez.  Grimi arriscou de fora da área e o goleiro alvinegro caiu no canto direito para fazer uma defesa arrojada e salvar a meta alvinegra mais uma vez.

Que contra-ataque!

O Galo deu a resposta aos 13 minutos. Robinho puxou o contra-ataque pelo meio e serviu Lucas Pratto pela direita. O artilheiro invadiu a área e bateu para o gol. A bola subiu e passou por cima da meta de Saja.

A estratégia alvinegra na etapa complementar era boa. O plano era administrar a posse de bola, atrair o Racing para o campo de ataque e apostar nos contra-ataques em busca do gol. Já o Racing tinha dificuldades na criação das jogadas e chegava na base da força.

Na trave!

O Racing quase abriu o placar aos 18 minutos. Romero fez bom lançamento do meio-campo, a defesa atleticana falhou e a bola sobrou livre para Lizandro Lopes pela direita. O atacante teve o tempo de ajeitar a bola e encheu o pé. A bola explodiu no travessão e depois Erazo afastou o perigo.

Quase, Robinho!

A medida que o tempo passava, o Racing partia para o ataque e deixava espaços para o Atlético contra-atacar. Aos 25, Marcos Rocha lançou Robinho que saiu cara a cara com Saja. Ele tentou encobrir o goleiro, mas a bola saiu à direita da meta argentina.

No lance seguinte, Robinho puxou o contra-ataque e lançou Júnior Urso em profundidade. O volante saiu na cara de Saja que usou o reflexo e evitou o gol atleticano em Avellaneda.

A última boa chance de gol da partida foi do Racing. Aos 43 minutos, o zagueiro Victor apareceu como elemento surpresa no meio da defesa alvinegra. Após cruzamento da direita, ele subiu livre de marcação e cabeceou em direção do gol atleticano. A bola passou por cima da meta.

Olho na decisão do Mineiro!

No final de semana, o Galo deixa de lado a disputa com o Racing por uma vaga nas Quartas de final da Libertadores e foca na decisão do Campeonato Estadual. Domingo, às 16h, a bola vai rolar no Independência para o clássico contra o América, primeiro jogo da decisão. Por ter feito melhor campanha, o Atlético joga por dois resultados iguais e será o mandante do jogo de volta.

Racing 0 x 0 Atlético 

Motivo: jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores
Estádio: El Cilindro, em Avellaneda
Data e hora: quarta-feira, 27 de abril, às 19h30
Árbitro: Júlio Quitanda (PAR)
Assistentes: Eduardo Cardozo e Roberto Cañete (PAR)

Cartões amarelos: Acuña (RAC); Leonardo Silva, Rafael Carioca, Júnior Urso (ATL)

Racing – Saja; Pillud, Victor, Sánchez e Grimi (Diaz); Videla, Aued, Noir (Martínez), Romero e Acuña; Lisandro LópezTécnico: Facundo Sava

Atlético – Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Erazo e Douglas Santos; Leandro Donizete, Rafael Carioca, Júnior Urso e Dátolo (Clayton); Lucas Pratto e Robinho (Cazares) Técnico: Diego Aguirre

Por

Relacionados

comentários