Ao lado do croata Ivan Dodig, o atual número 1 do mundo em duplas, Marcelo Melo, enfrentará o holandês Robin Haase e o sérvio Viktor Troicki na primeira rodada de Roland Garros, na quinta-feira (26).

Prestes a estrear no Grand Slam para defender o título de campeão da última temporada, o tenista brasileiro fala sobre suas expectativas para a competição, a qual ele disputa pela décima vez consecutiva.

Quais são suas expectativas para o Roland Garros deste ano?

São muito boas. Fizemos uma boa sequência nos torneios de saibro e voltamos a jogar bem, o que é muito importante para começar um torneio como Roland Garros.   

Como será entrar em quadra carregando a responsabilidade de campeão do torneio na última temporada? O que muda para esse ano?

A responsabilidade é grande, mas não muda muita coisa. Sempre jogamos bem aqui e já atingimos outros bons resultados. O mais importante é estar focado desde o começo, como fizemos ano passado. 

O torneio pode ser decisivo para sua posição no ranking de duplas. Como está sendo a preparação para que isso não interfira na atuação da dupla?

Me preocupo sempre no dia a dia, nos treinos e a cada jogo. Acho que é o melhor caminho. O ranking vem como consequência dessa rotina. 

O que o Roland Garros tem de diferente dos outros Grand Slam?

Roland Garros é muito tradicional para nos brasileiros, especialmente por causa do Guga, que o conquistou três vezes. Estamos acostumados a jogar sempre no saibro também. Além disso, tem o fato de ser em Paris, lugar muito admirado pelos brasileiros. 

Quem você acredita que serão os grandes adversários?

Muitas duplas estão jogando bem, mas para mim as principais são as formadas pelos franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut e os irmãos norte-americanos Bob e Mike Bryan‎.  

Qual a sua avaliação sobre esse primeiro semestre da dupla?

Não tivemos um bom começo de ano, porém voltamos a jogar bem desde Monte Carlo, no início da sequência de torneios no saibro. É normal acontecer altos e baixos. Temos que estar tranquilos e preparados, porque assim os resultados acontecem.

O tenista mineiro é patrocinado pela Centauro desde 2007. Desde então, o jogador conquistou inúmeras vitórias e torneios, incluindo o Roland Garros de 2015, até chegar ao topo do ranking mundial de duplas da ATP.

comentários