A ação vai beneficiar diretamente 16 onças, abrigados na Associação Mata Ciliar. Anualmente quase meio milhão de animais silvestres são atropelados no país.

 

Parceria inédita no setor de proteção animal lançou no último dia 6 um crowdfounding para captar recursos em favor das onças que vivem nos cativeiros mantidos pela Associação Mata Ciliar, em Jundiaí a 60 km da cidade de São Paulo. O Toca da Onça prevê instalações adequadas para abrigar os animais e também a criação de espaços para que sejam readaptados à vida silvestre, e reintroduzidos na natureza. A ação é fruto de parceria entre a OSCIP Ampara Animal, o Instituto 100% Animais e a Mata Ciliar.

A atriz Cléo Pires, ativista da proteção animal, é a madrinha do projeto, que pretende arrecadar pelo menos R$ 500 mil reais. (http://www.kickante.com.br/tocadaonca).

Atualmente, a Associação Mata Ciliar abriga 700 animais – entre os quais 16 onças, pintadas, suçuaranas e negras, sendo que 16 delas precisam de espaços mais adequados. Todos os anos são atropelados pelo menos 475 milhões de animais silvestres nas estradas do pais (Centro de Estudos de Ecologia em Estradas). Ocorre que 90% são pequenos vertebrados cujas mortes passam praticamente despercebidas. Mas desse total, pelo menos 40 milhões são animais de porte médio como macacos e gambás, por exemplo, e cerca de 5 milhões são animais de grande porte, como onças, lobos e capivaras.

“A devastação no habitat das onças é um processo crescente, por isso há cada vez mais animais em cativeiro”, afirma Cristina Harumi da Associação Mata Ciliar. “Os animais sofrem acidentes graves, acabam sendo resgatados e passam a fazer parte de programas de reabilitação”, completa Harumi.   As onçasque mais sofrem com o problema são as que precisam de áreas extensas para se alimentar, como a onça-pintada (Phantera onca) e a onça-parda (Puma concolor).

O Brasil não tem uma política pública eficaz capaz de proteger animais silvestres afetados pela expansão das áreas agrícolas e pela criação extensiva de gado.  No início deste ano, em Brasília, as câmeras de segurança chegaram a flagrar uma onça-parda no estacionamento.

“As onças precisam ter seu comportamento selvagem e natural preservado, e para isso, necessitam da nossa ajuda. Somos responsáveis pela degradação do habitat natural delas e consequentemente, pelas condições inadequadas que elas vivem hoje. Então, precisamos nos unir”, convoca Juliana Camargo, presidente da ONG AMPARA Animal.

Toca da Onça pretende arrecadar recursos para a construção de seis espaços adequados para abrigar os felinos resgatados (dois por ambiente) e um específico para readaptação à mata e posterior soltura.  Na natureza, cada onça ocupa, em média, um território de 100 km quadrados.  Atualmente essasonças encontram-se alocadas em espaços de aproximadamente 25m2, o que eleva o nível de estresse do animal e dificulta sua reinserção ao habitat natural.

Esta é a segunda vez que a AMPARA Animal coordena uma ação de crowdfounding em favor dos animais. O primeiro, em 2015, revertido em prol do Rancho dos Gnomos, arrecadou R$ 1 milhão de reais, em 90 dias.  Localizado em Cotia, o Rancho  protege a fauna e a flora da região.

Mais informações sobre o Toca da Onça
Cléo Pires: https://www.youtube.com/watch?v=9KKhY2EdOAg
A Causa: https://www.youtube.com/watch?v=MH3KDyMRzjg

Saiba mais:
Sobre a AMPARA Animal

  • A AMPARA Animal é a maior OSCIP de proteção animal do país. Desenvolve desde 2010 um importante trabalho de suporte e conscientização focado em cães e gatos. A AMPARA atende, por meio de abrigos e cuidadores autônomos, cerca de 10 mil cães e gatos abandonados por mês. A AMPARA atua de forma preventiva por meio de ações de conscientização, adoção e castração. Em 2016 a AMPARA deu mais um passo na área de proteção animal, criando o braço de Animais Silvestres.

Sobre a 100% Animais

  • O Instituto 100% Animais é uma ONG formada por empresários que tem por objetivo a promoção de ações efetivas em benefício do bem-estar dos animais. Constrói pontes entre cidadãos, empresas privadas e organizações de proteção animal.

Sobre a Associação Mata Ciliar

  • A Associação Mata Ciliar (AMC), administrada pela Médica-Veterinária Cristina Adani, e presidida pelo fundador Engenheiro Agrônomo Jorge Bellix de Campos, é uma associação sem fins-lucrativos que desenvolve diversas atividades para a conservação da biodiversidade. Existe há mais de 27 anos, na cidade de Jundiaí.  Atuando em diversos programas de preservação do meio ambiente. Em 1997, criou o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres. Em 18 anos a AMC recebeu mais de 20.000 animais. Grande parte foi reintroduzida em seus respectivos habitats.

Outras ações da Mata Ciliar

  • Mantém um viveiro de mudas com mais de 12 milhões de árvores plantadas em áreas de Mata Ciliar;
  •  Devolveu mais de 50 grandes mamíferos à natureza;
  • Coordena projetos de extensão rural, como “De Olho nos Rios” e “Águas de Piracicaba”, que mobilizaram produtores rurais de 20 municípios do interior paulista, dando vida nova às nascentes de rios e projetos socioambientais de preservação de recursos hídricos junto às comunidades rurais (técnicas de conservação do solo, saneamento rural e cisternas;
  • Educação Ambiental: mais de 800.000 pessoas já participaram de ações de educação ambiental promovidas em parceria com prefeituras municipais; Tem como objetivo principal, a melhoria da qualidade de vida das comunidades, desenvolvendo projetos relacionados à preservação, conservação e recuperação do meio ambiente através da manutenção do viveiro de mudas instalado em Pedreira.

Para ler mais notícias do Por Dentro de Minas, clique em pordentrodeminas.com/noticias. Siga também o Por Dentro de Minas no Twitter e Facebook e pelo RSS.

comentários