Entre 2011 e 2015, apenas 10 municípios, que detinham 23% da população, geraram 43% da produção do Estado.

 

A distribuição do PIB mineiro foi bastante desigual em 2015, situação que pouco variou quando considerado o período 2010/2015: apenas 10 municípios responderam por 43% da produção econômica mineira e concentraram, no mesmo período, 23% da população estadual.

Além dessa concentração, os dados apresentados na Tabela 1 mostram que Uberlândia consolidou-se na segunda colocação entre os municípios mineiros de maior participação no PIB de Minas Gerais, posição que vem ocupando desde 2012, trocando de lugar com Betim. Ao longo do período 2010/2015, Contagem permaneceu ocupando a terceira posição. A exemplo do que acontece no contexto estadual, a participação de Uberlândia no cenário nacional também é crescente, tendo passado da 32ª colocação em 2011 para a 22ª em 2015.

No ranking brasileiro, Belo Horizonte manteve a quarta posição, superado por São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Tabela 1: Participação dos dez municípios de maior PIB em 2015, posição no estado e no país – Minas Gerais – 2010/2015

Fonte: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (DIREI) – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Coordenação de Contas Nacionais (CONAC). Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (DIREI)

Juntos, os cinco municípios com maior participação no PIB mineiro (Belo Horizonte, Uberlândia, Contagem, Betim e Juiz de Fora) responderam por 34,9% do total em 2015. Na composição setorial do PIB desses municípios, à exceção de Betim, o setor serviços responde por mais de 2/3 da produção econômica (Tabela 2). Em 2010 a economia do município de Betim ainda era liderada pelo setor industrial, que vem perdendo posição continuamente, a despeito da abrupta recuperação verificada em 2015, que não pode ser vista como uma reversão de tendência.

Tabela 2: Composição setorial do PIB dos dez municípios de maior participação na economia de Minas Gerais –2010/2015 (%)

Fonte: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (DIREI) – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Coordenação de Contas Nacionais (CONAC). Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (DIREI).

O município de Uberaba também tem se destacado tanto no estado quanto em nível nacional, com sucessivas melhorias na participação. As atividades de comércio e de produção de fertilizantes e defensivos agrícolas tem contribuído de forma efetiva para tais avanços.

O município de menor PIB no Estado foi Serra da Saudade, pertencente ao Território de Desenvolvimento Oeste, seguido por Cedro do Abaeté, do Território Central. No Território Metropolitano localizam-se três dos dez municípios de menor participação na produção: Passabém, São Sebastião do Rio Preto e Santo Antônio do Rio Abaixo. Outros quatro municípios com os menores percentuais de participação pertencem ao Território Mata (Antônio Prado de Minas, Aracitaba, Senador Cortes e Olaria).

Em síntese, a desigualdade socioeconômica regional ainda predomina de forma expressiva no estado de Minas Gerais. Embora tenha havido alguma mudança de posição, a relação dos cinco e dos dez municípios de maior participação no PIB estadual não se alterou ao longo do período 2010/2015.

PIB per capita – O PIB per capita de Minas Gerais foi de R$ 24.885 em 2015. Entre os 853 municípios mineiros, apenas 108 superaram esse valor. Entre os 10 municípios que apresentaram os maiores PIB per capita de Minas Gerais em 2015, quatro tinham como principal atividade a indústria extrativa mineral: São Gonçalo do Rio Abaixo, Nova Lima, Itatiaiuçu e Tapira, os três primeiros do Território Metropolitano e o último do Território Triângulo Sul.

Já os dez municípios mineiros que registraram os menores valores de PIB per capita em 2015 caracterizaram-se pela atividade econômica centrada em serviços, com predominância da administração pública. No total do Estado, a representação da administração pública no PIB correspondeu a 15,2%, ao passo que nesses municípios variou entre 55,3% e 68%. A população desses municípios variou entre 7.564 habitantes em Monte Formoso e 23.571 habitantes em Caraí.

Valor adicionado bruto setorial (VABs)

A agropecuária apresentou a menor concentração da produção entre os municípios, comparativamente às demais atividades. Entre os dez municípios com maior valor adicionado agropecuário, dois estão no território Triângulo Sul (Uberaba e Perdizes), segundo e nono colocados, respectivamente; três no Noroeste (Unaí, Paracatu, e João Pinheiro), e cinco no Triângulo Norte (Uberlândia, Coromandel, Nova Ponte, Patrocínio e Indianápolis). Unaí apresentou o maior VAB agropecuário de Minas Gerais, com participação de 2,1% do total.

A maior concentração espacial na geração do valor adicionado foi apresentada pela indústria. Em ordem decrescente de participação, quatro municípios acumularam 29,2% da atividade em 2015: Belo Horizonte (11,2%), Betim (7,9%), Uberlândia (5,3%) e Contagem (4,8%).

No setor de Serviços, o município de Belo Horizonte concentrou, sozinho, 19,7% da produção em 2015. Os demais municípios com maior participação foram Uberlândia, Contagem, Betim, Juiz de Fora, Uberaba, Montes Claros, Ipatinga, Governador Valadares e Pouso Alegre. Os 10 municípios de maior VAB de serviços contribuíram com 44,5% do total estadual em 2015. Em 2010 eles participavam com 46,6%.

Fonte: Fundação João Pinheiro

comentários