Na coluna de Flávio Melo desta semana, leia: “O que fazer para manter a dieta”.

 

No texto anterior citei o quanto as pessoas entram num mundo irreal, das ideias sem base na realidade, e nele constroem suas expectativas. O exemplo citado foi de as pessoas levarem meses, ou mesmo anos, para engordar 15 quilos; mas embora percebam a necessidade de comprar roupas cada vez maiores, agem como se não tivessem engordando e, quando resolvem emagrecer, o querem de uma forma mágica, sem controle alimentar e sem atividade física, em menos de um mês. Pensando dessa forma, a pessoa apenas se engana e acaba se frustrando facilmente. Como escapar desse ciclo vicioso?

SAIBA MAIS

Opinião: Dieta a importância de se sentir acolhido
Opinião: Acolhimento e dieta
Opinião: Foco na Dieta

Em primeiro lugar, deve-se dar conta que a realidade existe e ela impõe limites, portanto é fácil constatá-la. Parece obvio, mas muitas pessoas têm dificuldade de reconhecer, agem na inconsequência, achando que com elas nunca acontecerá um acidente, nunca serão acometidas por doenças, que poderão fazer qualquer coisa que estarão sempre protegidas etc. No contexto real da vida há sempre uma ordem dos acontecimentos e um resultado das ações. E esses resultados podem ser a favor ou contra seus objetivos. Isto quer dizer que a pessoa, em primeiro lugar, tem um desejo de ser tal tipo de pessoa, e o resultado das suas ações e o das outras pessoas possibilitam dela realizar ou não esse desejo.

Uma vez a pessoa identificando o que deseja, ela precisa escolher atividades que lhe tragam como resultado a realização do seu desejo. Agindo assim é possível escapar do ciclo vicioso de viver comendo sem restrição e achar que não vai engordar. Para isso ela precisa parar de dizer qual é o corpo que ela gostaria de ter, como se o corpo dela fosse algo que ela “tem”. O corpo de cada um é o corpo que a pessoa “é”. Não temos um corpo, somos esse corpo! Então ela precisa dizer a si própria qual é o corpo que quer “ser”. Em segundo lugar, assumir a responsabilidade das escolhas e da quantidade dos alimentos que está ingerindo, sem colocar desculpas nos alimentos pelo fato de serem gostosos, ou mesmo dizer que tal comida estava “olhando para ela” e por isso não resistiu e comeu.

Assumindo a responsabilidade do que está escolhendo, e se dando conta das consequências de cada uma das escolhas, a pessoa passa a viver no mundo real e será nesse âmbito que ela conseguirá se planejar, agir e alcançar os resultados esperados.

Relacionados

comentários